Carregando... Carregando...
 
Busca Simples

> busca avançada

Revisão da NR 18 focará instalações elétricas provisórias e proteção coletiva

Abertura da reunião do CPN em 22 de março.

Apontamentos foram feitos na primeira reunião do CPN, que terá a gestão 2017-2018 sob coordenação da Fundacentro

Por ACS/ Cristiane Reimberg em 10/04/2017

O Comitê Permanente Nacional sobre Condições e Meio Ambiente do Trabalho na Indústria da Construção - CPN pretende resgatar a participação dos CPRs (Comitês Permanentes Regionais) e contar com a cooperação de todos para concluir o processo de revisão da NR 18 (Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção). Neste ano, serão revisados dois itens na norma: instalações elétricas provisórias e proteção coletiva. Esses pontos buscam prevenir os tipos de acidentes que mais ocorrem no setor, que são choque elétrico, quedas e soterramentos.

Os apontamentos foram feitos na primeira reunião do ano CPN, em 22 e 23 de março. Na ocasião, o engenheiro da Fundacentro/PE, Mauricio Viana, tomou posse como coordenador do Comitê. O encontro, realizado na sede do Seconci-SP (Serviço Social da Construção de São Paulo), contou com a participação de representantes das bancadas do governo, trabalhadores e empregadores.

A reunião contou com a participação de representantes dos CPRs de São Paulo, Santos, Goiás, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Pernambuco. Alguns também são membros do CPN. As falas do encontro mostraram que se buscará um consenso tripartite, com efetiva participação regional. “Queremos que todas as partes sejam ouvidas”, afirma Viana. “Temos que enxugar a norma”, completa Haruo Ishikawa, representante dos Empregadores.

Para mostrar quais as expectativas para a nova gestão do CPN e para a revisão da NR 18, ouvimos os coordenadores de cada bancada. A Bancada do Governo assumiu o CPN e com ela o seu coordenador, Mauricio Viana, que é chefe da Fundacentro/PE. O coordenador da Bancada dos Trabalhadores, Jairo José da Silva, é secretario da Federação dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção e do Mobiliário do Estado de São Paulo – Feticom/SP. Já o coordenador da Bancada dos Empregadores, Haruo Ishikawa, é vice-presidente do Seconci/SP e do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo – Sinduscon/SP.

Visão Tripartite – Governo

“A nossa expectativa, primeiro, é a proteção, segurança e saúde do trabalhador. Isso é primordial. Queremos mudar o conceito de algumas coisas dentro da norma, melhorar o que nós temos na NR 18. Ela serviu muito, mas há algumas coisas que estão defasadas. Nós vamos conversar e decidir fazer. Vamos fazer um bom planejamento, com a interação com órgãos como a ABNT, com universidades”, afirma Mauricio Viana.

Leia na íntegra:

Entrevista com coordenador do CPN: Mauricio Viana, da Bancada do Governo e chefe da Fundacentro/PE, defende diálogo tripartite e com CPRs

Visão Tripartite – Trabalhadores

“Nós estamos começando a rediscussão [da NR 18] e agora priorizando itens que mais acidentam, que mais matam na indústria da construção. Eu acho que iniciamos bem. O grupo tem visibilidade daquilo que é preciso fazer, priorizar os problemas que são graves, que precisam de uma resposta rápida, consenso. Eu acredito que vamos avançar mais nestas questões”, aponta Jairo José da Silva.

Leia na íntegra:

Entrevista com coordenador da Bancada dos Trabalhadores no CPN: Jairo José da Silva defende priorização de itens que mais acidentam

Visão Tripartite – Empregadores

“Existem as atribuições dos CPRs e do CPN, e esse trabalho regional tem que ser valorizado porque é realmente lá que acontecem as coisas. Agora vamos começar a cuidar de algumas coisas importantes. Não podemos nos esquecer das demandas. Não adianta pegar muita coisa e não aprovar nada. Essa é minha visão hoje”, destaca Haruo Ishikawa.

Leia na íntegra:

Entrevista com coordenador da Bancada dos Empregadores no CPN: Haruo Ishikawa defende olhar para demandas

Abertura teve participação de direção da Fundacentro

Mauricio Viana apontou, na abertura, o papel que a Fundacentro tem para segurança e saúde no trabalho da indústria da construção. “Para mim é uma honra. Em 1987, tivemos congresso da área da construção na Fundacentro. Criamos uma unidade móvel de ensino que percorria as obras. Nós conseguimos pela primeira vez com um grupo de trabalho da construção civil colocar lado a lado trabalhadores e empregadores. Começamos a reformulação da NR 18 em 1993. Em 1994, fizemos o corpo da norma. Tivemos uma negociação dura”, recorda Viana. A NR 18 reformulada foi publicada em 1995 e, no ano seguinte, o CPN e os CPRs (Comitês Permanentes Regionais) passaram a funcionar.

A abertura da reunião do CPN também contou com a presença do presidente da Fundacentro, Paulo Arsego, do diretor técnico Robson Spinelli e do assessor técnico da presidência Washington dos Santos (Maradona). Na ocasião, eles falaram sobre o papel da instituição, a importância do tripartismo e de futuras parcerias a serem desenvolvidas.

“Temos enciclopédias vivas em SST. A Fundacentro continua protagonista de ações, mas perdeu a titularidade. Queremos reassumir essa titularidade e é muito importante que assumamos a coordenação. É da união entre trabalhadores e empregadores que precisamos. Vim para reestruturar a instituição, não para fechar a porta”, afirma Paulo Arsego.

“A questão do tripartismo é um grande ganho para a sociedade. A Fundacentro tem uma importância muito grande, que foi depreciada. Queremos que a sociedade volte para a Fundacentro, não só os trabalhadores, mas o setor patronal também”, completa Maradona.

Compartilhar:

Recomendar Notícia

Recomendar Notícia

É obrigatório o preenchimento dos campos com *

Dados remetente

Dados destinatario

Máximo de 1500 caracteres. Quantidade de caracteres digitados:

Confirmação dos dados - Recomendar essa Notícia

Dados confirmação
Recomendar para outro destinatário

FUNDACENTRO - Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho.
Sede: Rua Capote Valente, Nº 710 - CEP: 05409-002 - SÃO PAULO-SP - BRASIL - CAIXA POSTAL: 11.484 / CEP: 05422-970
Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução total ou parcial sem a permissão da Instituição.